Ribeirão Preto

Escola Sathya Sai de Ribeirão Preto, SP

“A paz deve ser manifestada nos sentimentos, nas palavras, na atitude e na ação, assim como na mente e no desempenho do dever; tudo de igual forma. Dessa maneira, a paz é perfeita, do tipo mais excelso e estável”. Sathya Sai

 

Alcançando a plenitude da paz

 

Quando nossa conduta é guiada pelo exercício infalível da vontade humana, experimentamos um estado de calma e equanimidade, que é a plenitude da paz. Esse equilíbrio é mantido de modo muito delicado. Pode-se facilmente perder sua paz, se ela for baseada em verdades transitórias e suas ações consequentes. Por outro lado, guiada pelo amor, a paz se torna mais permanente.
O egoísta pode obter satisfação transitória de uma gratificação autocentrada, como, por exemplo, ao ganhar uma grande soma em dinheiro. Mas logo a novidade se desgasta e o sentimento de insatisfação, com o desequilíbrio emocional que o acompanha, é restabelecido.
No caso do amor mútuo, o equilíbrio emocional é atingido, mas também pode se desequilibrar quando nossos entes queridos experimentarem alegria ou tristeza. É apenas nos níveis mais elevados de amor que a plenitude da paz pode ser experimentada. Embora aquele que está imerso na paz experimente a perfeita calma, isto não significa que ele está inativo. Muito pelo contrário. Tal pessoa pode estar imersa em perpétua ação, guiada pela vontade humana, que retira sua força da verdade derradeira – a unidade da Criação.
Assim, com o amor altruísta, não haverá altos e baixos e apegos a tais oscilações. Sintonizar-se com sua própria realidade e contemplá-la assegura a harmonia com a própria realidade, gerando, portanto, um perfeito equilíbrio. Swami Vivekananda revela a inter-relação entre a ação amorosa e a paz nas seguintes palavras: ‘Cada ato de amor traz paz e bênçãos como reação natural. Real existência, real conhecimento e real amor são eternamente ligados uns aos outros, formando três em um: onde um deles está, os outros também terão que estar; eles são os verdadeiros aspectos do Uno sem um segundo – Existência – Conhecimento – Bem-Aventurança.’*

*Educação em Valores Humanos, Manual para Professores – Sathya Sai